Ritalina: O Remédio Da Concentração

Um dos assuntos mais procurados nos mecanismos de busca como o Google é “tomar Ritalina para estudar”. Esse medicamento desperta a curiosidade de muita gente que vê nele uma promessa de mais concentração, foco e inteligência.

Independentemente de você ter chegado aqui com esse propósito ou não, seja bem-vindo(a).

Hoje vamos bater um papo e tentar entender se a Ritalina funciona de verdade para que possamos obter melhores resultados nos estudos, em provas, em concursos ou no trabalho.

O tema é uma demanda que vem especialmente de concurseiros e universitários.

Quem não deseja um estimulante que ative o cérebro e o deixe mais potente que atire a primeira pedra.

E, de fato, o remédio age nos neurotransmissores e no sistema nervoso central. Ele impulsiona a produção de dopamina e norepinefrina.

Isso ajuda a manter o foco nos estudos por mais tempo e até mesmo a sentir uma sensação de bem estar. Mas a que preço?

Veja a seguir para que a Ritalina foi criada e como ela responde aos anseios das pessoas que a incluem no seu dia a dia. Uma boa leitura!

História do medicamento

Ao comprar Ritalina, muitas pessoas não se dão por conta de que esse não é um remédio novo no mercado. Na realidade, ele tem décadas.

Ele foi criado na década de 1950 pela companhia Ciba Geigy.

O objetivo era que o medicamento fosse utilizado somente para o controle da hiperatividade e transtornos de déficit de atenção em crianças.

Esse é um distúrbio muito comum e que atinge pelo menos 3% a 5% de toda a população mundial.

Com o tempo, foi descoberto que a Ritalina funciona também no tratamento de narcolepsia.

Essa é uma doença em que o paciente cai em sono profundo inesperadamente ou sente muita sonolência durante o dia, mesmo dormindo normalmente à noite.

Ainda que seja um medicamento de tarja preta e controlado, seu uso está bastante banalizado dos últimos tempos.

Ele se tornou popular especialmente após a onda de concursos públicos concorridos, em que os candidatos disputam cada vaga com unhas e dentes.

Por isso, aquele que era para ser um remédio para indivíduos com hiperatividade e falta de concentração diagnosticada pelo neurologista, acabou se tornando um artifício do qual mesmo quem não precisa usa para se destacar dos demais.

Ritalina para estudar

Quem usa Ritalina para estudar afirma que a substância dá uma turbinada na concentração.

Isso favorece os estudos antes de provas ou trabalhos importantes.

O problema é que o processo de aprendizagem é muito mais profundo do que as poucas horas de foco que o remédio oferece (cerca de 4 horas).

Ele pode até ajuda na “decoreba” na noite anterior de um teste, mas não potencializa a capacidade de aprender sobre diversos assuntos em profundidade.

Portanto, se você tem a intensão de comprar Ritalina para situações “de emergência”, em que precisa assimilar muita informação em pouco tempo, tome cuidado.

É somente estudando e revisando os conteúdos periodicamente que se consegue assimilá-los de fato.

Criar bons hábitos de leitura e de estudo é muito mais saudável.

Além disso, existem alternativas naturais para potencializar o foco que não possuem tantos efeitos colaterais perigosos, tais como a cafeína e o guaraná.

No entanto, se o médico receitar a Ritalina, siga as instruções e faça o tratamento com o devido monitoramento das doses e respectivas reações.

E jamais compre o produto de procedência duvidosa e sem receita, pois pode ser falsificado.

Comprar Ritalina

Ritalina para concurseiros

Estudar para concursos públicos representa, para a grande maioria dos concurseiros, a chance de um emprego de carreira e com mais estabilidade.

Porém, conseguir se concentrar após um dia de trabalho cansativo não é nada simples.

Os conteúdos propostos que aparecem nos editais são inúmeros.

Se a pessoa não tem uma base concreta nos seus anos de escola e faculdade, pode se frustrar (e muito!) quando encontra dificuldade em assimilar tudo aquilo.

É aí que os concurseiros acabam encontrando na Ritalina uma esperança de tirar mais proveito do cursinho preparatório ou das horas dedicadas a “devorar” as apostilas.

Seja pela ansiedade de passar nas provas ou até mesmo pela pressão de familiares, consideram toda e qualquer ajuda – ainda que a saúde seja prejudicada.

Mas tenha cuidado. O esgotamento físico e mental pode levar à transtornos como a Síndrome de Burnout.

Conheça seus limites e tome cuidado para não fazer do remédio uma “bengala” da qual não conseguirá se ver livre tão facilmente.

Ritalina para ter foco no trabalho

Cada vez mais, as pressões do mercado de trabalho têm feito muitas pessoas recorrerem a psicoestimulantes para render mais.

Seja para burlar o cansaço ou para corresponder às metas impostas, trabalhadores e empresários optam por comprar Ritalina mesmo sem ter TDA/H.

A Ritalina funciona e foi criada para crianças. É impressionante como o público adulto a consome.

Por isso, tenha bom senso e não tenha a fantasia de que pílulas mágicas farão de você uma pessoa mais inteligente e rápida nos negócios.

O trabalho é importante e é dele que tiramos nosso próprio sustento.

Mas não esqueça que na cadeia produtiva capitalista, sua saúde não pode ser explorada para o benefício de outrem.

Cuide de si, prefira alternativas naturais e não extrapole os seus próprios limites.

Medicamentos controlados podem ser uma via rápida. Mas, ao mesmo tempo, também pode ser perigosa.

Mas afina, a Ritalina nos deixa inteligentes?

Com todos os tópicos e argumentos mencionados até aqui, você já deve ter se dado por conta de que a Ritalina é boa para determinadas doenças.

Contudo, ela não é uma pílula milagrosa que faz as pessoas ganharem mais inteligência.

O remédio promove mais concentração e foco, mas não pode ser consumido sem acompanhamento ou prescrição médica. Não se automedique.

É muito mais sensato e seguro preferir suplementos chamados de “Ritalina natural” que são feitos com compostos mais equilibrados.

Assim, o seu desempenho nos estudos, em concursos, no trabalho e em atividades do dia a dia pode ser estimulado sem colocar o seu organismo em risco.

Até breve, com outras dicas!